Arquivo da tag: Início

Eis que enfim chegou 2009.

Vista geral de ataque israelense ao norte da faixa de Gaza

Folha de SP - 5/01/2009 _ Feliz ano novo de Israel

Parece que chegou meio sem vontade, 2008 teve até um segundo a mais… e pra 2009 as previsões são muito pouco animadoras.

Há vários meses é anunciado o recrudescimento da crise econômica sobre a qual temos lido e ouvido diariamente, responsável pela quebradeira generalizada de bancos e grandes empresas e pela demissão de dezenas de milhares de pessoas em todo o mundo. No Brasil ela ainda parece um pouco distante, apesar das férias coletivas, demissões e do governos e a burguesia em geral não deixarem passar a oportunidade de anunciar a necessidade de redução dos direitos dos trabalhadores…

Nos dias anteriores ao reveillon a previsão do tempo pela rádio era bem triste. A própria repórter responsável estava sempre se lamentando e se desculpando com os ouvintes pelas frentes frias que chegariam uma após a outra e estacionariam sobre nossas cabeças bem na virada do ano, deixando o tempo frio e chuvoso.

No fim das contas, apesar dos prognósticos, o tempo não ficou tão ruim… conseguimos até descer pra Santos na noite do dia 31 (saímos de São Bernardo City às 22h30 e não pegamos trânsito algum até próximo da praia em Santos!) para ver os fogos da areia. É um espetáculo lindo que sempre me deixa boquiaberta. A chuva só veio só no dia seguinte, e, diga-se de passagem, está por aqui desde então.

Já em relação à economia, HB e eu tivemos a oportunidade de passear pelo comércio após o natal, procurando um guarda-roupas mais adequado nessas promoções que as grandes lojas fazem pra se livrar do estoque e, como nos outros anos, os preços continuavam muito atrativos e as pessoas continuavam comprando muito. Tenho a impressão de que algo semelhante está acontecendo com a venda de carros, os usados estão mais baratos e as pessoas ainda obtém crédito, após o susto inicial, mas me parece que isso é como um último suspiro antes da queda, uma última festa antes da quaresma.

No entanto, acima do tempo e da crise econômica, algo que tornou simplesmente impossível comemorar a chegada do novo ano foi o ataque de Israel à Palestina. Até hoje já foram mortas quinhentas pessoas do lado Palestino e do lado Israelense, não mais que dez. Mais uma daquelas respostas israelenses completamente desproporcionais a qualquer ataque que possam ter sofrido enquanto os demais países do mundo, no máximo, clamam por um cessar-fogo. Ora, um cessar-fogo pressupõe um acordo em que ambos os lados terão que ceder, mas em que podem os Palestinos ceder? Para Israel, a única coisa permitida a um palestino é respirar… e olhe lá! Nem carregamentos de remédios e alimentos de ajuda aos palestinos podem ser entregues sem vencer grandes obstáculos, e se este povo insiste em ter um mínimo de organização política ou econômica, se insiste em continuar vivendo nas suas terras imemoriais, então é uma ofensa a Israel que se julga no direito de destruir tudo… então eu realmente não consigo entender o que pode ser um cessar-fogo para aquela região. Também não entendo quando a televisão e os jornais falam do conflito entre israelenses e palestinos, pois o que há é um ataque histérico e genocida de Israel sobre a Palestina. Simples assim. E não vejo acordo possível, o que vejo é que se continuar assim, daqui a pouco Israel consegue o que quer e acaba com os Palestinos, mas e depois disso?

Um capítulo à parte dessa história toda é o Obama, no qual boa parte do mundo oprimido e explorado pelo imperialismo norte americano está depositando suas esperanças. Sobre a crise ele tem se pronunciado, anunciado planos e defendido ajuda a bancos e montadoras, mas sobre Israel se recusou a tomar posição… e essa é mais uma coisa que acho difícil de entender, como é que ajudando bancos e montadoras, nomeando grandes nomes do mercado financeiro americano para seu secretariado e se omitindo em relação ao massacre no Oriente Médio ele vai poder salvar o mundo?

Bem… são coisas que não entendo. Será que 2009 explica? Será que alguém explica?

Anúncios

A difícil arte de falar…

    Agora que já fiz uma breve apresentação e o HB fez sua entrada em grande estilo, penso que devo passar para a próxima etapa, aquela em que tento preparar o leitor para o fato de que aqui não teremos nenhuma grande obra literária ou explicação do mundo. Sem emoções fortes a cada instante ou reflexões profundas sobre o ser e o nada. Enfim, é chegada a hora das desculpas…

   Desculpas porque a idéia é falar de nós, cada um de si, cada um do outro ambos de nós dois e do resto do mundo. No entanto, por um lado não há nada de tão extraordinário em nossas vidas que as torne muito mais especiais que cada um dos bilhões de universos particulares que são as vidas de cada pessoa e de cada casal.

Por outro lado, mesmo sendo o tema tratado tão simples e aparentemente sem graça, ele é pra mim muito difícil. Tenho problemas com a linguagem, principalmente com a linguagem que ronda a exposição pessoal. Não posso me conformar em apresentar minhas dúvidas e fraquezas como as dúvidas e fraquezas que são, nem em considerar qualquer mérito que eu tenha ou qualquer alegria que me comova como algo digno de ser relatado a alguém.

   Bem… desculpas pedidas com a devida antecedência, espero poder agora realizar o processo inverso e convencer as pessoas de que há algo aqui que vale a pena ser lido.

   Mas não, isso não pode ser feito agora sob pena de chatear demais os olhos do outro lado da tela. Essa tarefa terá início nos próximos posts… em todos os próximos posts, quando vamos exercitar a arte da carpintaria literária pra prender o leitor ao texto!